sábado, abril 23, 2016

constelação familiar sistêmica

pisem com pés de algodão,
minhas palavras vãs,
pelo papel vadio,
não queiram despertar meu pai,
que dorme, sem pesar,
no sofá ao lado.

ninguém tem culpa,
os segredos vão
sendo desvendados
sem ter quem por eles vele.

e a fumaça dos papiros
lentamente queimados
à luz do passado, iluminando
sem dor, sem julgamento,
os passos ininterruptos
desde os dias atuais.

velhas coincidências
deixadas de lado,
monstros cheios
de preconceito
morrendo de inanição.

tudo carrego
em mão erguidas,
olhos mirando
um horizonte blues.
obrigado ventos
sem nome
que insistem
em antecipar
a força desse anonimato.

amém, para sempre, amém.

nilo neto
bc 23-4-2016

Um comentário:

LOUCA PELA VIDA disse...

Compartilhei este belo poema. Tentando retornar a escrita "blogueira"... esbarrei no mentirosa. Grande abraço.